Últimos assuntos
» Registro de Photo Player
Sab 15 Set 2018, 20:12 por x- Ember

» Casa - Nara Masato
Qui 13 Set 2018, 11:42 por Masato

» Atualizações Gerais
Ter 11 Set 2018, 00:04 por Shirou

» [Torneio] Shirou VS Soki
Seg 10 Set 2018, 20:17 por Soki

» [Torneio] Nico VS Toca
Seg 10 Set 2018, 15:08 por Shirou

» [Torneio] Chrollo VS Maomé
Seg 10 Set 2018, 15:06 por Shirou

» [Torneio] Kaya VS Hisoka
Seg 10 Set 2018, 15:05 por Shirou

» [Torneio] Hisoka VS Mael
Seg 10 Set 2018, 14:33 por Shirou

» [Torneio] Darkin VS Soki
Seg 10 Set 2018, 14:31 por Shirou

» [Torneio] Nico VS Ah Gou
Seg 10 Set 2018, 14:30 por Shirou

Anúncios

    Não há anúncios disponíveis.

    Os membros mais ativos da semana


    Enredo - Baralho

    Ir em baixo

    Enredo - Baralho

    Mensagem por Shirou em Ter 28 Ago 2018, 19:42

    Um rapaz jovem de cabelos negros olhos azuis e um sorriso aberto se renderia as rugas quando a velhice lhe alcançasse. Um garoto que era sustentado pelo duro trabalho dos pais que nada mais era do que fazerem os pagantes rirem - é isso que palhaços fazem - era um sucesso, isso rendeu ao garoto uma infância boa onde nada lhe faltava. Uma pequena vila nos arredores do País do Fogo foi o palco da criação e desenvolvimento da personalidade daquele pequeno garotinho que agora tinha dezesseis anos, seu corpo não era muito bem desenvolvido fisicamente, espinhas estavam presentes em sua face, um óculos redondo encobria seus olhos azuis e um penteado para o lado com um excesso de creme lhe rendiam o título de nerd.

    O garoto frequentou a academia ninja dessa vila sem nunca citar a profissão dos pais - ele sequer falava - ele tinha medo de que as pessoas fossem cruéis demais e rissem ainda mais do que já riam. Ele era um jovem que se importava demais com a opinião alheia. Não tinha amigos de fato, apenas alguns outros excluídos do qual ele compartilhava suas expectativas para o futuro. Vídeo games, RPG's e tecnologias eram seus assuntos preferidos, ele defendia que estas eram as melhores coisas no mundo mesmo que nitidamente existisse uma realidade diferente daquela que ele preferiu acreditar. - "Meu sonho é este, um dia, quem sabe eu terei uma empresa onde poderei ser dono de todas essas coisas, juntas..." - Era isso que ele respondia sempre que alguém criticava seu modo de pensar em relação a esses assuntos.

    Os meses passaram, a época de férias era quando o circo mais lucrava - iria ocorrer uma maratona de apresentações. - O espetáculo já era famoso na cidade e com isso muitos alunos da academia daquela pequena vila - e também da sala do garoto - iriam assistir. Para a infelicidade do sonhador em todo ato o rapaz aparecia com os pais no final, vestidos todos de palhaços para agradecer. No primeiro dia foi possível desfaçar.

    O segundo dia também não lhe expôs, mas as coisas não continuaram assim por muito tempo e no terceiro dia a tentativa de negligenciar sua família diante sua sala foi ao chão. Os garotos mais velhos - repetentes - que ficavam no fundo da sala viraram sua mochila de cabeça pra baixo e por um deslize o garoto havia se esquecido de retirar a fantasia da mochila na noite passada. A roupa caiu e um silêncio se fez, era possível escutar um soluço reprimido, um choro. Os mais velhos permaneceram quietos, foi possível ouvir suas respirações antes de pudessem soltar suas risadas e deboches. O garoto de cabelos pretos e óculos sentiu algo que nunca havia sentido, seu punhos estavam cerrados e quando viu ele estava numa briga.

    Sua família foi chamada á escola. O garoto num surto de ódio conseguiu os dedos das mãos de cada um daqueles garotos, se assemelhava muito a uma técnica de tortura. O garoto de cabelo escovado para o lado se tornou o vilão de sua própria história, seus pais, humildes e preocupados estavam agora ouvindo tudo que a velha diretora tinha a dizer. - "Vocês nem mesmo conseguem ter um emprego normal, como querem que eu suporte isso?" - dizia o garoto que logo foi respondido pelo pai que nada lhe faltava. - "Eu tenho vergonha de vocês, quero seguir meu futuro, quero ter a minha empresa e dar orgulho aos meus filhos!".

    Seu pai o amaldiçoou dizendo que se um filho não tivesse a capacidade de amar sua família do jeito que ele era, não conseguiria nada. O garoto novamente tomado pelo ódio acertou o rosto de seu pai, uma briga se iniciava novamente. O homem não reconhecia mais seu filho que estava possesso, desesperado puxou uma kunai que tinha ali, e estava ali próxima ao chão, dois cortes foram registrados pele do garoto. Havia sido tudo tão rápido, não era a intenção que aquilo ocorresse. Um sorriso diabólico tomou conta do garoto que ainda sangrando apanhou a kunai, aproximou-se e abraçou seu pai. "Eu amo você pai, mas você tem que ir!" - um último golpe, o último ato foi cravado ali. O rapaz nunca mais foi visto.

    Trinta anos se passaram e essa pequena vila nos arredores do País do Fogo não era mais o que era antigamente. O circo havia falido e a mãe do garoto morreu poucos anos após o pai. O garoto compareceu ao velório, mesmo que tivesse a observar de longe - não chorou, não derramou uma lagrima. Ele já era um homem, morava num prédio velho que caia aos pedaços, não fazia nada de útil com sua vida - era um assassino de aluguel. Tinha ambições grandes, mas que necessitavam de paciência. Seu desejo era corromper o máximo de pessoas possíveis e ter o seu império - não uma empresa - e sim, uma cidade inteira apenas para si. Valete!

    O garoto mexia com armas de fogo e toxinas, descobriu que tinha uma grande facilidade com armas e imunidade a venenos, além de conseguir controla-las. Era uma pessoa inteligente, mesmo que tivesse largado a academia ninja pouco antes de terminar o ensinamento ninja. Sua especialidade era chamada de  Phytosinese.

    Compulsivo. Se apelidou de Valete visto que frequentemente participava de jogos com baralho. Nos momentos de assassinato se vestia de palhaço - pensava ser uma forma de homenagear seu pai - dizia a si mesmo que havia matado aquele garoto e quem vivia naquele corpo agora era o demônio.

    Anos se passaram e o dinheiro dos assassinatos lhe rederam lucros e mais lucros. Usufruía da grana que tinha, com dinheiro foi fácil corromper as pessoas que aos poucos formaram o exercito do qual ele desejava - eles vestiam preto e vermelho com símbolos do baralho. Apelidou o grupo de "Ases" - aos poucos essa pequena vila conheceu seu carrasco, que mais tarde, assim como uma doença contagiosa se espalharia pelo mundo. Seus capangas são impiedosos e estão dispostos a fazer de Valete o coringa desse mundo. Com isso se iniciava a era onde heróis e vilões se enfrentavam para decidir o futuro deste mundo, já que os mais poderosos não estão mais entre nós.

    ▲ Todos os jogadores do RPG estão participando da saga, os que decidirem seguir caminho como heróis terão de combater Valete e seu exercito. Os vilões podem se unir a Valete mas também contam com uma terceira opção de um terceiro grupo para combater as forças opressoras do palhaço sem a necessidade de se aliar a heróis. A Saga termina quando Valete for derrotado.

    ▲ O Palhaço está escondido, tem bases por em todas as vilas menores do RPG, seus soldados são todos capangas de lvl 1, entretanto algumas mentes brilhantes se uniram a ele sendo nomeados Reis - este são de lvl 3, enquanto Valete é nível 4. O que se sabe é que é um homem extremamente perigoso perito em armas de fogo e uma peculiaridade que lhe permite ter controle sobre as plantas e suas toxinas, apesar de não se saber mais nada sobre qualquer outra habilidade é sempre bom tomar cuidado, ele sempre tem uma carta na mangá.
    Terminado


    Shirou
    "Este lugar me faz pensar sobre os erros que eu cometi no passado… e eu fiz muitos."
    Shirou
    avatar

    Voltar ao Topo Ir em baixo

    Voltar ao Topo


     
    Permissão deste fórum:
    Você não pode responder aos tópicos neste fórum